Depois de acidente, lancha Paicara novamente apresenta problemas

Depois da lancha Paicara colidir com a catraia Iracema na noite de ontem, por volta das 7:30h, a mesma apresentou um novo problema. Desta vez, uma nuvem de fumaça tomou conta da embarcação, sendo necessária a evacuação dos passageiros. Ninguém se feriu.

A Dersa, informou oficialmente, por meio da assessoria de comunicação, que “uma fumaça tomou o parque de máquinas” da embarcação e, em seguida, foi para andar dos passageiros, que ficaram assustados. Por segurança, todos foram retirados do Paicara, que permanece parada para manutenção.

A Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) está apurando as causas desse incidente e enviou uma equipe até o atracadouro das embarcações, em Vicente de Carvalho.

 

 

Mais sobre o acidente da lancha Paicara, clique aqui.

 

Fonte e Vídeo: A Tribuna On-Line

Adaptação de texto: Henrique Ferrinho

Catraia vira com 17 passageiros em Santos

Uma catraia, que realiza a travessia de passageiros entre o distrito de Vicente de Carvalho em Guarujá a cidade de Santos, virou no começo da noite de hoje.

Segundo a Guarda Portuária, o acidente ocorreu por volta das 19h, quando a lancha Paicara (foto) da concessionária Dersa, colidiu com a catraia Iracema ambos saindo do distrito de Vicente de Carvalho. A catraia afundou e não prejudica a navegação no canal do Porto de Santos, não ocorrendo também danos ambientais.

De acordo com Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar), todos os 17 passageiros que estavam dentro da embarcação, caíram no mar, 15 delas sendo resgatada pelos catraieiros que trabalham do lado da cidade de Guarujá e as outras 2 pelo Corpo de Bombeiros. Uma idosa passou mal por conta do nervoso, e foi encaminhada para o pronto socorro de Vicente de Carvalho. Não houve vítimas fatais.

Por volta das 19h15, inspetores da Capitania estavam no local colhendo depoimentos preliminares do comandante da embarcação da Dersa, e também da catraia. As informações vão servir para a criação do Inquérito Administrativo sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), que tem o prazo de conclusão de 90 dias. O laudo vai apontar os responsáveis pelo acidente e também as causas.

 

Foto e adaptação de texto: Henrique Ferrinho

Fonte: G1 Santos